Santiago do Chile – Roteiro de 3 dias

Depois do post que dá todas as dicas de vôos, transfers, etc., finalmente um post sobre um roteiro básico de 3 dias em Santiago do Chile. Eu saí do Brasil com um roteiro básico, com alguns lugares que eu queria ir com certeza, porém, deixei algumas coisas em aberto para me surpreender e poder inserir alterações no plano (como efetivamente aconteceu: desisti de ir a Viña del Mar e Valparaíso no 3º dia).

Resumo:

1º dia:

Atacama2016-8759-2
Fiz o “Free walk tour” oferecido pela prefeitura de Santiago. O tour é gratuito e no final você dá a gorjeta que quiser/puder para o guia. São de 3 a 4h de caminhada pelos principais pontos de diversos bairros de Santiago e é nesse tour que você descobre vários lugares que quer voltar pra olhar com calma e curtir. Ele começa na Plaza de Armas e acaba na “La Chascona”, uma das casas que Pablo Neruda construiu para uma de suas amantes. Esses tours acontecem duas vezes ao dia, as 10hs e as 15hs e é só procurar pelos guias de camisetas vermelhas na Plaza de Armas. Há passeios em português, espanhol e inglês. Mais detalhes, aqui Como fiz o tour das 10hs da manhã e ele acaba na “La Chascona”, aproveitei para subir o Cerro San Cristobal de funicular 🙂 … O dia estava nublado, logo, nao deu pra ver muita coisa 😦 Da tour, fiquei com vontade de ir ao Museu Público, ao Pátio Bellavista e ao Mercado Público (que disseram ter ótimos peixes).Após descer o cerro San Cristobal, um almoço tardio em um dos restaurantes da Calle Pio Nono. São muitos com menus em torno de  6.000 pesos chilenos para entrada, prato principal, sobremesa e uma bebida. Ainda no pique, fui até o museu de Belas Artes e ao de Arte Contemporânea, os dois são interligados internamente e o melhor, gratuitos. Gostei mais do de Belas Artes … A essas altura eu já tinha cãimbras nas panturrilhas. Passei em um mercadinho de rua, comprei snacks para ter na bolsa (barrinhas de cereais, garrafinhas de água e passei no hotel para dar uma descansada. Isso pelas 17hs. Como anoitece por voltas das 20hs, Saí novamente para passear pelo bairro Paris-Londres e para conhecer a Igreja São Francisco.

Atacama2016-8835

2º dia:

Dia de fazer o tour da vinícola Concha y Toro. Estava marcado para as 10:40 então saí às 8:30 do hotel para garantir a chegada no horário. Como era uma Segunda-feira, duas das baldeações de metrô que tive que fazer foram um perrengue: metrô muito cheio. O último foi mais tranquilo, vazio e deu pra ir observando os diferentes cenários conforme nos afastamos do cenro de Santiago. Descendo na estação Las Mercedes você tem duas opções: táxi ou ônibus. Como eu sou “ousada”, resolvi ir de ônibus. Para saber as opções de como chegar a vinícola, clique aqui. Eu me atrapalhei um pouco, mas pedi ajuda para uma senhora que estava vendendo coisas na rua e ela ficou comigo até vir o ônibus certo (confesso a vocês que achei esses ônibus uma aventura). Eu fiz a Tour Tradicional que custa 12.000 pesos chilenos (aproximadamente 19 dólares),  tem duração de uma hora e degustação de 3 terroirs. A diferença básica para a tour Marquês de Casa Concha é que a degustastação dessa tem uns queijinhos e alguns vinhos a mais.Atacama2016-8873

Atacama2016-8866

O retorno é bem parecido com a ida, mas aproveitei e desci na estação Baquedano para almoçar em algums dos restaurantes do Pátio Bellavista. Depois disso, caminhei até o Cerro Santa Lucia. Infelizmente, o tempo de pouca visibilidade e a poluição limitaram a visão das cordilheiras 😦 Para fechar o dia, uma passada na Biblioteca Pública, um mocaccino do Starbucks e hotel.

Atacama2016-8916

3º dia:

Esse dia foi uma mudança de planos. A minha ideia era acordar cedo e fazer uma round trip para Viña del Mar e Valparaíso. Como no dia seguinte eu teria de acordar as 3 da manhã por causa do vôo para Calama e também porque minha vontade de conhecer essas cidades não era tão grande assim, tranquilamente mudei os planos e aproveitei mais um pouco de Santiago. Trajeto do dia: Troca da guarda na Plaza de la Constitución, Túmulo do proclamador da independência do Chile, Bernardo O’higgins, Centro Cultural do Palácio de la Moneda, caminhada pelo Paseo Ahumada, passeio com mais calma pela Plaza de armas, visita ao Museu histórico e mais uma caminhada até o Mercado Público. Depois, almoço novamente no Pátio Bellavista e Zoológico de Santiago.

Primeiro, a Troca da Guarda, que começa as 10hs em ponto na Plaza de la Constituición e acaba na Plaza de la Cidadania. Acontece a cada dois dias e a cada mês alterna entre dias pares e ímpares (em Abril, dias ímpares). Depois, caminhada livre por pontos culturais e ruas de Santiago. Como era um Terça-feira, foi interessante observar o vai-e-vem de pessoas indo para seus compromissos diários (enquanto eu estava num ritmo completamente diferente de férias :))

Atacama2016-8927-2A ideia era almoçar no Mercado Público, como tenho estômago mais sensível, não me animei. Amo frutos do mar, mas sempre fico receosa de comê-los longe de casa e ainda mais na véspera da ida para o Atacama. Então, voltei ao patio bellavista e almocei num italiano chamado Zocca: salada, fettuccine ao pesto e hellado de pistacchio 🙂

Voltei ao Morro San Cristobal para ir ao Zoo de Santiago, que havia deixado de lado. Que bom que voltei: um zoológico muito bem cuidado com animais que pareciam muito bem cuidados também.

Atacama2016-8961

A noite fui jantar numa pizzaria chamada La serrana! Achei pelo four square e é um charme só! Não pedi a pizza porque seria grande pra mim sozinha… Pedi uma massa de jamon Serrano e uma limonada. Limonada bem boa, massa OK. Talvez as pizzas fossem melhores.

E esses foram meus três dias em Santiago. Esse Curiosidade: Apesar do sistema excelente de metrô de Santiago, a única vez que usei foi para ir a Concha y Toro. Todo o resto fiz a pé… Isso mesmo, todo os dias, todos os roteiros foram feitos a pé. Eu chegava no hotel no final do dia acabada mas bem feliz 🙂
Os posts sobre o Atacama, devo dividir por passeios para que os posts fiquem menores

Anúncios

Chile – Santiago e Deserto do Atacama: como chegar e outras dicas gerais

Esse é um post do estilo “burocrático” 🙂 Explico melhor… Não é burocrático porque estou fazendo por obrigação, mas sim para explicar como chegar, o que precisa, que vôos e empresas aéreas pegar, etc. Todas aquelas informações que você precisa para chegar no seu sonhado destino sem stress e poder curtir seu roteiro de forma tranquila e sem “perrengues” 🙂

Resumidamente meu roteiro foi:

  • Porto Alegre – São Paulo, São Paulo – Santiago (ambos aéreos): meio dia de viagem  + 3 dias inteiros em Santiago.
  • Santiago – Calama (aéreo), Calama – San Pedro de Atacama (terrestre) : meio dia de viagem e transfer + 5 dias e meio em San Pedro do Atacama
  • San Pedro de Atacama – Calama (terrestre), Calama – Santiago (aéreo), Santiago – São Paulo (aéreo), São Paulo – Porto Alegre (aéreo): e aqui, foram mais de 15hs de viagem. Saindo as 6:30 da manhã do hotel em San Pedro e chegando em Porto Alegre as 21:30

Meu roteiro sai de Porto Alegre. Como não temos vôos diretos para Santiago, precisei fazer conexão em Guarulhos, São Paulo. Há vôos saindo do Aeroporto Internacional Tom Jobim no Rio de Janeiro também. Eu viajei na combinação Tam + Lan, tudo comprado pelo próprio site da Tam. Para chegar em Santiago, são cerca de 4 hs de vôo. Antes de voar para Calama (a cidade com aeroporto mais próxima de San Pedro de Atacama), fiquei 3 dias em Santiago e só então fui ao deserto :). Do aeroporto de Santiago ao seu hotel você pode optar pelo taxi privado ou serviço de transfer compartilhado de van. Eu cheguei em Santiago por volta das 20hs e fiquei em um hotel no centro da cidade, então optei pelo compartilhado e em menos de 30 minutos estava no hotel. Se você se hospedar em bairros mais distantes, como Providence ou Las Condes, acredito que de transporte compartilhado você pode levar entre uma hora/ uma hora e meia para chegar. A empresa que contratei foi a Transvip e foi bem eficiente. Eu não fiz a reserva antecipada pelo site. Quando você desembarcar em Santiago, logo na saída do DutyFree estarão as esteiras de bagagem, casas de câmbio, aluguel de carros e transfers. Bem fácil.

Ah! Bom lembrar: no Chile você entra com sua Carteira de Identidade Brasileira (não vale carteira de motorista, tem de ser a identidade mesmo) ou com seu passaporte. Facilita um pouco pra quem ainda não tem passaporte.

Para sua ida a Calama há duas opções: no mesmo bilhete (multi-cidades) Tam + Lan, você já inclui os trechos Santiago-Calama/Calama-Santiago. Você ganha alguns quilos a mais na franquia de bagagem e se fizer o retorno direto, como eu, algum conforto em relação as conexões (caso atrasem). A outra opção é fazer esse trecho pela Sky Airline, uma companhia aérea Chilena. Quando fiz meu roteiro, li em muitos lugares que essa opção seria a mais em conta. Ao fazer minhas simulações para compra de passagens, a diferença optando pelo multi-cidades Tam + Lan ficou tão pequena que optei por essa facilidade. O valor era inferior a R$ 100,00 e achei válido arcar com esse custo. Se você está com o orçamento mais apertado, talvez consiga uma barganha melhor indo pela Sky 😉 Esse vôo leva cerca de 2hs.

Chegando ao aeroporto em Calama, você tem duas opções: a combinação taxi até o centro da cidade + ônibus até o centro de San Pedro ou transfer de van direto na porta do seu hotel/hostel em San Pedro de Atacama. Eu também fui pela conveniência do transfer e escolhi a Transfer Pampa mas ouvi ótimas recomendações também sobre a Trans Licancabur. Deixei agendado por e-mail, eles me esperaram com uma plaquinha no desembarque 🙂 Deixei agendado também meu retorno e na véspera recebi a confirmação por e-mail do horário que seria pega no hotel. Pontualidade e serviço vip (as 6:30 da manhã, voltei sozinha na van). E então começou aquela rotina tradicional de aeroporto/conexões . Se você optar pelo ônibus a companhia se chama TurBus, mas daí vou ficar devendo detalhes já que não foi minha opção de transfer.

Sobre dinheiro: lá o que vale são os pesos chilenos. Eu já saí do Brasil com alguns cálculos feitos e alguns pesos comprados. Muitas pessoas fazem o câmbio por lá mesmo: real/pesos ou dólar/pesos. Não precisei fazer esse câmbio por lá, mas a maioria dos brasileiros com quem conversei levaram dólares para trocar.

Valores:

  • Passagens: vai depender muito da época, da antecedência e se você conseguir alguma promoção.
  • Transfers:
    • Aeroporto de Santiago para o hotel: em transfer compartilhado, cerca de 7.000 pesos cada trecho
    • Calama para San Pedro: 12.000 cada trecho. Se você agendar ida e volta, fica por 20.000 pesos os dois trechos.

Seguro Viagem:

Façam! Simples assim! Eu nunca precisei usar, mas nunca se sabe quando uma mala vai se perder e você pode precisar comprar roupas ou, o que mais me preocupa, se você vai precisar de assistência médica. Em San Pedro de Atacama, passei mal com a altitude e pensei que fosse precisar. Por sorte, não precisei. Mas isso eu conto em outro post 🙂 O meu eu fiz com a Mondial e escolhi a opção Standard, não custou mais que R$ 150,00 para 10 dias de viagem.

Próximos posts falarei mais sobre o roteiro em Santiago e como se movimentar por lá, bem como sobre o Atacama, passeios e como sobreviver ao mal da altitude 😉